Cientistas «NÃO SABEM» se a Ria Formosa ainda é o santuário do Cavalo-Marinho

Investigadores sabem que há um decréscimo das populações e identificaram algumas
das causas. No entanto, estes animais continuam presa fácil para a captura ilegal.

Em meados de novembro, na estação de autocarros de Marbella, em Málaga, três portugueses vindos de Olhão, tentam vender 7 quilos de cavalos-marinhos secos (2133 exemplares no total), por 10 mil euros. Os recetadores querem levar a mercadoria para a China, onde são usados como afrodisíacos, uma espécie de «Viagra» da medicina tradicional. Correu mal. A Guardia Civil apanhou-os em flagrante e cinco pessoas foram detidas.

No início de março, uma nova apreensão fez manchetes na imprensa espanhola, desta vez em Puerto de Santa María, Cadiz. Estas notícias não passam despercebidas aos biólogos Jorge Palma e Miguel Correia, que desde 2007 estudam as espécies Hippocampus hippocampus (focinho curto) e Hippocampus guttulatus (focinho longo), as mais vulgares na Ria Formosa.

«Sabemos que há pessoas que os capturam por meios ilegais, quer por mergulho, quer por arrasto, ambos interditos. Um dos problemas dos cavalos-marinhos é a fertilidade, que é muito baixa. O macho pode libertar 200 a 300 juvenis, mas, em meio natural, pouquíssimos sobrevivem. Toda a população acaba por não ter capacidade de gerar um descendência em número suficiente. Se forem retirados do ambiente aos milhares como estão a ser atualmente, rapidamente esta população pode entrar em colapso», explica Jorge Palma.

Governo garante fim do defeso do sargo na Costa Vicentina «assim que possível»

Fonte imagem: Comissões de Pescadores e Populações

O período de defeso da espécie sargo na área do Parque Natural da Costa Vicentina e Sudoeste alentejano (PNCVSA) tem os dias contados. A revogação desta proibição temporária à pesca lúdica vai ser publicada em Diário da República «assim que possível», garantiu o secretário de Estado das Pescas José Apolinário, numa reunião que manteve com as Comissões de Pescadores da Costa Portuguesa, em Aljezur.
José Apolinário e Célia Ramos, secretária de Estado do Ambiente e Ordenamento do Território, reuniram-se com as comissões que representam os pescadores lúdicos, presidentes de Câmara da Costa Vicentina e dirigentes do Instituto de Conservação da Natureza Florestas (INCF), na passada semana. Também estiveram no encontro deputados à Assembleia da República.
Um primeiro esboço da portaria que irá ser publicada em breve, à qual o Sul Informação teve acesso, revoga o período de defeso de pesca de sargo, ao mesmo tempo que aumenta num mês  o período de proibição de apanha de bodiões, uma sugestão avançada pelos pescadores lúdicos.

Os sargos apreendidos no SW Alentejano e Costa Vicentina


Os sargos apreendidos encontravam-se numa saca escondida no meio das rochas de um dos pesqueiros...

Apreendido peixe capturado ilegalmente no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina

O Comando-local da Polícia Marítima de Lagos realizou, no dia 5 de março, uma operação de fiscalização da orla costeira, no interior do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, nomeadamente à atividade de pesca do sargo que se encontra no seu período de defeso, tendo apreendido uma saca contendo 11 kg de sargo.

Os sargos apreendidos encontravam-se numa saca escondida no meio das rochas de um dos pesqueiros, não tendo sido possível identificar o seu proprietário.

Foram ainda fiscalizados oito pescadores lúdicos, que se encontravam em situação legal.

Pesca lúdica PNSACV resposta do Secretario de Estado das Pescas

Pesca lúdica questões ao Secretário de Estado das Pescas

Fonte: Rodrigo Zacarias

Comunicado Comissões Pescadores e População da Costa Portuguesa


As Comissões Pescadores e População da Costa Portuguesa realizaram hoje uma manifestação / concentração em Rogil, no concelho de Aljezur.

Neste manifesto participaram cerca de 200 pessoas oriundas dos concelhos do Parque Natural da Costa Vicentina e Sudoeste Alentejano ( Sines, Odemira, Aljezur, Vila do Bispo), bem como dos municipios de Santiago do Cacem, Aljustrel, Ourique, Monchique, Lagos, Silves e Portimão.

As revindicações tinham haver com as Areas Parciais tipo1 que interditam o acesso aos pescadores ludicos no Rogil (Aljezur), Cavaleiro ( Odemira), Porto Covo ( Sines), ao defeso da especie " Sargo" para o pescador ludico de cana no Parque Natural da Costa Vicentina e Sudoeste Alentejano e ao aumento das quantidades de marisco.

A poucas horas da realização desta concentração, o governo envio para as Comissões uma propósta de revogação da portaria que regulamenta o periodo de defeso da especie o Sargo bem como o agendamento de uma reunião com a secretária de estado do ambiente para o proximo dia 29 de Março com a finalidade de ser discutido as areas de restrição á pesca ludica no PNCVSA.

Neste esclarecimento as populações houve intervenção do presidente da Camara Municipal de Aljezur, José Amarelinho,dos deputados da assembleia da republica eleitos pelo Algarve, Cristovão Norte (psd) e João Vascocelos (be).

Ficou o compromisso de todos, caso estas matérias não estejam resolvidas até meados de Maio, vão realizar-se mais acções de protesto em todo o Parque Natural da Costa Vicentina e Sudoeste Alentejano.


As Comissões
04-03-2017

Pescadores lúdicos protestam contra proibição da pesca do sargo na Costa Vicentina


Os que fazem a pesca apeada têm de respeitar o defeso entre 1 de Fevereiro e 15 de Março, interdição que não é extensiva aos que praticam a pesca embarcada e submarina.

Pescadores lúdicos apeados que praticam esta arte de pesca nos cerca de 120 quilómetros de frente marítima do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (PNSACV) estão impedidos de poderem capturar duas espécies sargos - Diplodus sargus e Diplodus vulgaris - entre 1 de Fevereiro e 15 de Março, precisamente as espécies alvo nas suas preferências. No entanto, a restrição que é determinada pela portaria 14/2014 não se aplica à pesca lúdica embarcada nem à pesca lúdica submarina, critério que é contestado pela organização Comissões Pescadores População da Costa Portuguesa (CPPCP), que se manifesta neste sábado no Rogil (Aljezur).

Pescadores lúdicos manifestam-se contra novas regras no PN da Costa Vicentina e Sudoeste Alentejano


Cerca de 200 pessoas manifestaram-se este sábado no Rogil, no concelho de Aljezur, contra as novas regras para a pesca lúdica nos concelhos abrangidos pelo Parque Natural da Costa Vicentina e Sudoeste Alentejano.

Os manifestantes, que vieram de vários concelhos do Algarve e Alentejo, querem ver revistas as Áreas Parciais Tipo 1, «que interditam o acesso aos pescadores lúdicos no Rogil (Aljezur), Cavaleiro ( Odemira), Porto Covo ( Sines)» e a criação de uma época de defeso para a espécie sargo para o pescador lúdico de cana no PNCVSA, entre outras, segundo as Comissões de Pescadores que se uniram para contestar as novas regras.

Numa nota à imprensa conjunta, os representantes dos pescadores lúdicos de diferentes concelhos revelaram que, horas antes do protesto, receberam do Governo «uma proposta de revogação da portaria que regulamenta o período de defeso da espécie sargo». Entretanto, foi agendada uma reunião com a secretária de Estado do Ambiente, para o dia 29 de Março, em Aljezur, para discutir as áreas de restrição à pesca lúdica no PNCVSA.

Esta informação foi transmitida à população durante uma sessão que contou com a presença do presidente da Câmara de Aljezur José Amarelinho e dos deputados à Assembleia da República Cristóvão Norte (PSD) e João Vasconcelos (BE).

«Ficou o compromisso de todos que, caso estas matérias não estejam resolvidas até meados de Maio, vão realizar-se mais ações de protesto em todo o Parque Natural da Costa Vicentina e Sudoeste Alentejano», concluíram as comissões de pescadores.

Fonte: Sulinformação

Pescadores lúdicos protestam no Rogil


A proibição da pesca de sargo no Parque Natural da Costa Vicentina e Sudoeste Alentejano, que está em vigor até 15 de março, é uma das questões contra as quais os pescadores lúdicos se vão manifestar no próximo sábado, 4 de março, às 15 horas, no Largo 1º de Maio, no Rogil, em Aljezur.

Esta proibição apenas está em vigor para os pescadores lúdicos apeados, uma vez que, durante o defeso, continua a ser permitida tanto a pesca submarina, como a que é efetuada com recurso a embarcações.

«Este protesto tem, ainda, o objetivo de contestar a existência de áreas de restrição à pesca lúdica, nas zonas do Rogil (Aljezur), Cavaleiro (Odemira), e Porto Covo (Sines)», alerta a organização da manifestação. Outra das motivações para esta contestação é o número de quilogramas autorizado para a pesca de marisco.

Os pescadores são, assim, «a favor do aumento das quantidades autorizadas para a pesca de marisco». As Comissões de Pescadores e População da Costa Portuguesa, que promovem esta manifestação, quer lutar para que a portaria seja revista, permitindo a apanha de cinco quilos de ouriços-do-mar e mexilhão. No entanto, defendem ainda a implementação de um período de defeso.

Este é um tema que, ao longo dos anos, tem levado a que os pescadores se manifestem em diversas zonas da Costa Vicentina e Sudoeste Alentejano.

Fonte: Barlavento

Manifestação pesca lúdica PNSACV



As Comissões Pescadores População da Costa Portuguesa vão realizar uma manifestação no próximo dia 4 de Março no Rogil ás 15h.

Os assuntos são relacionados com os seguintes pontos:

  • As áreas de restrição à pesca lúdica nas zonas do Rogil (Aljezur), Cavaleiro (Odemira) e Porto Covo (Sines);
  • Proibição da captura da espécie Sargo no Parque Natural da Costa Vicentina e Sudoeste Alentejano;
  • Aumento das quantidades de marisco;

Divulgue !!

As Comissões

Polícia Marítima fiscaliza pesca à linha apeada na Costa Vicentina



O Comando-local da Polícia Marítima de Lagos realizou ontem, dia 7 de Fevereiro, uma operação de fiscalização da orla costeira, no interior do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, dirigida à atividade de pesca do sargo que se encontra no seu período de defeso.

Foram fiscalizados seis pescadores, todos em situação legal. Da operação resultou ainda a localização e apreensão de cerca de 7 kg de Sargos, não sendo possível a identificação do seu proprietário.

Licenças para prática da pesca lúdica


A licença de pesca lúdica nas diversas modalidades, apeada, embarcada, pesca submarina e lúdica geral, pode ser obtida de forma simples, fácil e rápida nas redes de multibanco (ATM), selecionando a duração das mesmas, que podem ser diárias, mensais ou anuais.

Qualquer pescador lúdico pode consultar os dados da licença (n.º da licença, n.º de identificação civil associado, tipo e validade da licença), através do envio de um “sms” do telemóvel registado na mesma com o texto UPLUD para o n.º 925507447. 

Para efeitos de fiscalização o pescador lúdico para praticar a atividade apenas necessita de ter consigo o documento de identificação indicado na emissão da licença de pesca lúdica (Cartão de Cidadão). 

Fonte: AMN

Imersão


Antes do início de mais uns dias do ano de pura restrição da pesca lúdica apeada à captura de sargos e existindo condições iniciais para efectuar a primeira investida de caça submarina do ano, resolvi ir matar uns sargos daqueles que eu próprio não poderei matar com o auxilio do anzol, fio monofilamento, cana, carreto e iscas… 

Algumas visitas a covas de safio mas sem sucesso, deu para apreciar estas paisagens que poucos tem acesso do nível da agua para terra. As baías, foram zonas que se verificaram com agua mais tapada e com excesso de sedimentação em suspensão, pelo que não foram exploradas.

Pesca, mar, iscas e as capturas do costume

Pesca, mar, iscas e as capturas do costume
O local escolhido é um local que tem à disponibilidade dos sargos, varias espécies que fazem parte da dieta desta espécie, optei por uma maré que se encontrava já a subir, com meia maré, o mar era falso, mas como já tinha saudades de capturar uns "sarguinhos" decidi apostar neste local.

O engodo é o normal, sardinha que me tinha sobrado de uma outra jornada, ou seja sobras que devem ser recicladas. O método de engodo é manual, fazendo com que o mesmo não quebre em demasia o cordão de engodagem, uma vez que o mar falso tem a particularidade de no toque mais forte, provocar grandes recuos de vaga superior ao normal, situação que afasta o engodo do local que desejamos que o mesmo se mantenha.

Programa GelAvista


O programa GelAvista tem como objetivo realizar uma monitorização dos gelatinosos a nível nacional, a longo prazo. Começo por apresentar-lhes os gelatinosos. Resumidamente, o grupo de gelatinosos é composto por uma grande variedade de espécies, muito diferente entre si, mas que partilham a sua propensão de criar blooms. Ou seja, devido ao seu complexo ciclo de vida, estes organismos têm uma capacidade de reprodução e crescimento muito rápidos, originando um aumento da abundância e biomassa. Apesar do reconhecimento da sua existência, estes organismos têm sido "ignorados" pela ciência em todo o mundo, devido à sua inerente dificuldade de recolha e estudo, bem como à errada noção de que não são importantes nos ecossistemas. No entanto, pensamos que poderá estar a verificar-se um crescimento no número de organismos gelatinosos que ocorrem na costa portuguesa, nos últimos anos, o que parece ter uma forte ligação com o aumento da população humana e consequentes efeitos antropogénicos no ambiente marinho. Entre estes, destacam-se as alterações climáticas através do aumento da temperatura dos oceanos, o excesso de pesca e a eutrofização.